1/13/2009

DISPNÉIA

Bati à porta assustado.
Tinha medo, muito medo.
Bati à porta para pedir asilo,
tartamudeando,
com minha voz rouca e dispnéica.

Bati à porta para pedir asilo.
Mas o porteiro me disse
peremptório
que só teria abrigo
quem respirasse a palavra
na eupnéia das formas estabelecidas.

E o porteiro fechou-me a porta
indiferente.
E na rua escura,
sozinho,
engolindo em seco o silêncio
do ritmo proscrito das palavras asfixiadas,
eu tinha medo,
muito medo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário