3/21/2018

Novos-ricos da cultura


Maurício de Macedo

Diziam Drummond,
diziam Clarice...
como se fossem seus parceiros,
com os quais privassem
da maior intimidade.

Saltitando como gralhas
com penas de pavão,
a afetação se disfarçava
de naturalidade.

Imagem e semelhança


Maurício de Macedo

Alguém diz
Parece com você.
E na imagem e semelhança
do filho jovem
 de algum modo se refaz
o moço que um dia ele foi.

Privilégio de quem é pai
- a juventude perdida
que no filho se refaz.
Não é à toa que Deus é eterno

Gente humilde


Maurício de Macedo

"É gente humilde
que vontade de chorar"
Garoto/Vinícius de Moraes/Chico Buarque


Todos tinham a pele
cor de chocolate.
Ele dirigia a bicicleta,
a mulher na garupa
e as duas meninas
- laçarotes nos cachinhos dos cabelos,
arrumadinhas no fardamento escolar -
sentadas no banquinho
que ele improvisara
preso ao guidon.

Ele, operário da construção,
provavelmente.
Ela, empregada doméstica.
As meninas,
alunas do grupo escolar
municipal.

Passei ao lado e percebi
que há muitos brasis,
além da política
e da página policial.

Epistemologia do pum


Maurício de Macedo

O intelectual francês pesquisou 
e escreveu 
sobre a história do pum
- o pum na Antiguidade,
o pum na Idade Média,
o pum na Revolução Francesa...
E virou coqueluche o livro
sobre a história do pum
- na periferia sobretudo
onde a moda chega
em primeiro lugar.

E os assanhados acadêmicos
passavam o tempo a cogitar
- o pum no feitio de Marx,
o pum no feitio de Freud,
o pum no feitio dos gurus
que costumam abundar.
(Não era coincidência o verbo.)

E criaram-se linhas de pesquisa
do pum,
pós-graduações do pum...
Doutores e pós-doutores competiam
com paradigmas diversos
sobre a histórica nacional do pum
- o pum de Zumbi,
o pum de D. Pedro II...
na visão marxista,
freudiana,
foucaulteana...

E era pum pra lá e pum pra cá,
pelo menos enquanto durasse
o frenesi.
(Do outro lado do oceano
alguém já escrevia
sobre a história do xixi.)

12/12/2017

Ciranda

Maurício de Macedo

Pensou que poderia
escrever um conto,
mas a poesia lhe sussurrou
no ouvido
- Não percebe
que as palavras gostam de dançar
na ciranda que você canta?!
E que girando
de mãos dadas nesta ciranda
elas se põem a cantar?!

São gagas
as palavras que se aproximam
de você.
Só cantando é que elas conseguem

falar.

A fechadura

Maurício de Macedo

Já se falava da mãe de Zumbi,
da sogra de Zumbi...
Os vivos vestiam os mortos
(criavam os mortos)
com as fantasias
que lhes fossem convenientes.
Em cima da história
outras histórias
como quem faz enxertos
nas plantas.

Na cidadezinha,
aproveitando-se do fluxo turístico
eventual,
o malandro criava o ponto de cultura
onde se exibia a fechadura da porta
da casa de Zumbi.
Era só o início.
Outras relíquias viriam
- da mãe de Zumbi,

da sogra de Zumbi...

Poetas

Maurício de Macedo

"condemned in their pit
to weep at their own pages"
Derek Walcott ("Omeros")

São poucos
os que Omeros segura
para não serem arrastados
pelo sorvedouro
dos espelhinhos de feira

que trazem nas mãos.