7/14/2019

Rasputin

Maurício de Macedo

O sarcasmo histriônico,
a personalidade histérica...
Impunha-se na igrejinha provinciana
como um Rasputin das letras.

E os áulicos se curvavam
diante das pantomimas do guru
que poderia açodá-los
como se açodam os cães,
se quisesse.

Risco

Maurício de Macedo

Quem não está comigo
está contra mim,
levanta-se a bandeira.
Se havia risco na palavra,
não há menor no silêncio.
E os cães de caça da paranoia
rosnam em torno do que se cala.

Poesia, ai de ti, poesia,
sempre tão recôndita,
a proteger o ouvido
dos espinhos das algaravias...

12/28/2018

Chuva

Maurício de Macedo

Ficou nu sob o céu,
aguardando que as palavras
chegassem
como se fossem a chuva
- a escorrer pelos cabelos,
pelos olhos,
pelos ouvidos,
pela boca,
por toda a extensão
da pele...

Para que germinasse o grão
da poesia 
- as folhas tenras se abrindo
em busca do sol.

Maçã

Maurício de Macedo

Um silêncio daqui,
um silêncio de lá...
Há tanto silêncio
a me acompanhar.
Quando paro
e escuto um silêncio
mais aprendo a falar.

  Como se fosse Adão no desterro
mordendo uma nova maçã,
escuto um silêncio hoje,
outro quem sabe amanhã.

Décimo terceiro salário

Maurício de Macedo

É para o cachê do Papai Noel.
(Quem mandou convidar
uma celebridade?!
O menino de Belém
não cobrava nada...)

Ouro, incenso e mirra

Maurício de Macedo

Pudessem ser ouro,
incenso e mirra
as palavras,
ainda que não fosse
nenhum rei mago.

Pudesse chegar
até aquele menino,
ainda que não houvesse
nenhuma estrela guia
- tão longa a estrada,
imensa a escuridão.
E pedir-lhe perdão ajoelhado
- os pés sujos de poeira
e um poema nas mãos.

7/28/2018

Futebol

Maurício de Macedo

No estádio lotado
deslizando sobre o gramado
de um lado para o outro
a onda que vai e vem
- o balé que magnetiza o mundo.
Sonho dos meninos pobres 
do Brasil.
Brincadeira maior
de todos os meninos.

Menos brasileiro,
menos menino
- há deformidade que não se vê
e que faz a gente seguir


a vida inteira claudicando.